View Post

Balance, Luiza, balance!

In Arte e Estética, Crônica by ancuriLeave a Comment

Balance, Luiza,balance! Se pra ser criança é preciso transgredir um pouco, então balance. Um minuto de alegria vale o risco, se a noite é escura. Pule o muro da escola. Invada o jardim da infância. Oscile entre o passado que se imagina feliz e o futuro de risco e esperança. Balance, Luiza, balance! A utopia se faz sempre de presente.

View Post

Movimentos

In Arte e Estética, Bem Viver, Crônica by ancuri

Porque o paraíso não é um lugar de chegada, mas um caminho a ser trilhado. O ser se eterniza no passo seguinte que se presentifica a cada instante do caminhar. E fora do tempo se é o agora, e sempre, e sempre, e sempre.

View Post

Rio de Pedras

In Arte e Estética, Bem Viver by ancuri

Mergulho em um abraço na terra que me acolhe. Em busca de significância. Porque só se faz lugar, o chão que se doa em sentido. E o significado se revela quando se conhece e se ama.

View Post

12.04.95 – 18:07 – JSK

In Arte e Estética, Crônica by ancuri

Vinte três anos se passaram daquele corte de cordão em que a mão tremeu e a foto borrou. Com os olhos embaçados em lagrimas continuei a clicar na ilusão de barrar o tempo e eternizar aquela hora. 18:07. Vinte três anos se passaram, pouco mais de cem quilometros nos separam, mas em mim o relógio teima em circular o ponteiro …

View Post

Karlo Artur em dia de São José.

In Arte e Estética, Crônica by ancuri

Passos firmes, sem medo do sol escaldante que peitava o Santo, o Menino Jesus, e tantos outros para quem as súplicas por chuva se acumulavam, ele seguia rumo a Casa Azul. Fazia dias que sua obstinação se manifestava por essa visita. Não seria a luz ofuscante do meio dia que lhe seria impecílio. As roupas já emporcalhadas de outros terreiros …

View Post

Amor e Construção.

In Arte e Estética, Crônica by ancuri

É tarde. À luz da lua, corpo desarmado, tu observas o dia trabalhado. Eu te observo. E me sirvo do teu corpo suado. Meu olhar lambe a luz que escorre em teu rosto, cheira o cheiro de mato em teu cabelo, alcança teu olhar sobre teu trabalho. E em comunhão desposa-te a construção.

View Post

O Homem e a Terra

In Arte e Estética, Crônica by ancuri

Anoitece. A Escuridão preenche todas as distancias. Eu e tu nos tornamos nós, estreito nós. Teu rosto enfim se revela. Antes ocultado pelo sol em cores te mostravas. Longínqua, diversa, dispersa. Agora na noite escura tu és ela. E o encontro e a espera ao teu rosto me conduz. Amo-te. Amo-te com o amor do sempre. Sem futuro e sem passado. Porque a …

View Post

Porteiro dos sonhos.

In Arte e Estética, Bem Viver, Crônica by ancuri

Não renunciar a sí é não sobreviver aos próprios deuses, ou ao próprio deus. Quem a eles, ou a ele sobrevive torna-se carcaça, esvazia-se de sentido, subjuga-se ao comer de cada dia e às dores do caminhar errante. Vaga sem alma e sem destino e não tem onde pousar. Então resiste em teu sonho, pois nele te falam os deuses, …

View Post

Do Patético da Sacralidade

In Arte e Estética, Crônica by ancuri

Me disseram patético. E eu respondi: toda sacralidade é patética, me comove até às lágrimas. A banalidade do instante, a efemeridade do encontro, o gesto que se dissipa no tempo, a casa do Pai que já se ausenta, a criança e sua insondabilidade, todos são a santidade que dão significância à vida. E de joelhos e contrito eu choro em …