View Post

Nós somos o rio.

In Arte e Estética, Bem Viver, Política by ancuri

Somos o rio que passa. A vida que mora nele e que dele provém. Somos suas águas. Ajuntamento de povos e tempos, história do rio que fica e comunica de maré em maré, prá em maré dizer. Somos o Cocó daqui, de alí, d’acolá. Somos o Cocó da Aratanha em mil filetes a descer a serra, as águas ajuntadas do Gavião, …

View Post

Celebração da eterna criança.

In Arte e Estética, Bem Viver by ancuri

Clamo aos céus que na terra se espelha: – Faz-me, oh Senhor, eterna criança. E a terra que em esplendor ao céus ascende, peço: Guarda-me mãe até a derradeira jornada, e darei louvor, e celebrarei a vida que me doas em dias que despertam em cada Sol nascente.

View Post

Reflexões de um sábado à tarde

In Animais, Arte e Estética, Bem Viver, Crônica, Plantas, Política by ancuri

Estou cada vez mais convencido que a revolução se inicía no território doméstico. As transformações nas relações de poder, as construções de outros viveres, o cuidado com o outro, o cuidado com a terra, a água, os filhos. Estou convencido que meu machismo, meu consumismo, meu racismo é uma célula do tecido social apodrecido que alimenta o feminicídio, o ecocídio, …

View Post

Pensamentos Nômades

In Arte e Estética, Bem Viver, Crônica by ancuri

Antes de construir casas, nós construímos paisagem. Nosso Deus é antes de tudo um Deus do tempo, do percurso, do caminhar. Mas não é um Deus da mentira. A nossa preguiça, o nosso apego é que nos faz sonhar com paraísos constantes, com terras-prometidas, com um Deus lugar-de-chegada.

View Post

Busco uma palavra nova.

In Arte e Estética by ancuri

Busco uma palavra nova, nua, um palavra ainda sem sentido, à espera de um novo uso, em busca uma nova forma sonora e semântica. Busco uma palavra que estreie um novo drama, que inicie um novo romance, que finde toda tradédia. Busco uma palavra que alvoreça um novo dia, que desperte a luz de um outro sol, que ilumine o …

View Post

Sobre amor e morte

In Arte e Estética, Crônica by ancuri

Li recentemente que Jim Hutton, namorado de Freddie Mercury, quando soube do diagnóstico de Aids, e após a proposta de Freddie de separação, teria dito a ele: “Eu te amo, Freddie, e não vou a lugar algum.” Essa frase me tocou profundamente. E numa embriagues epifânica eu gritei: Que merda, eim? A gente constrói tanta tese,  romântica ou libertária, e de …