Da Ciência feita na Câmara ou Da Estultícia da Vereança

In Direitos Humanos, Política by ancuri

As pérolas do fundamentalismo nos seriam hilárias, se nelas não se ocultassem as sementes do ódio, do preconceito, do fascismo. Seriam risíveis se não embutissem em suas essências, a fogueira e a inquisição.

Apenas durante essa última semana, vi um pastor acusar a bicicleta de ladra da virgindade, amiga de satã. Um outro reclamava da má influência de casais gays que visitavam um parque africano, sobre leões machos fotografados em ritual amoroso. Anedotário para almoços domingueiros seriam, se na mesma semana não houvessem acontecido as vergonhosas cenas com Judith Butler em um aeroporto brasileiro e em uma manifestação medievalesca em frente ao SESC Pompeia em São Paulo.

Porém dos muitos absurdos que o fundamentalismo tem produzido, a ousadia de um deles me chamou a atenção. Aqui em Fortaleza um vereador quer criar um conceito científico por lei.

(Aqui eu abro um espaço de tempo para o riso. Ria o tempo que precisar e depois continuemos, porque o caso é sério.)

O vereador, provavelmente incomodado com a desqualificação do famoso e ridículo “conceito” de Ideologia de Gênero, resolveu apresentar na Casa do Povo, para apreciação de seus pares, o projeto de lei que estabelece conceitos e definições sobre a esdrúxula expressão no âmbito do Município de Fortaleza.

Para que serve academia, pesquisa, investigação, estudo, ciência, se eu posso convencer alguns outros colegas vereadores a criar um conceito científico por lei ? (restrito ao município, é claro, porque eu sou apenas um vereador)

Fiquei me perguntando: se esse vereador fosse terra-planista, por lei a terra viraria um prato? (no âmbito municipal é claro) E se ele discordasse de Galileu, faria o sol girar ao nosso redor? Repararam a monstruosidade?

Não soubesse eu o ardil que esse vereador fundamentalista tenta esconder sobre essa aberração, acrescentaria essa peça ao museu dos horrores legislativos. Mas estejamos atentos. Esse é um primeiro passo para criar substratos legais para futuras peças inquisitórias, repressivas, de censura.