Karlo Artur em dia de São José.

In Arte e Estética, Crônica by ancuri

Passos firmes, sem medo do sol escaldante que peitava o Santo, o Menino Jesus, e tantos outros para quem as súplicas por chuva se acumulavam, ele seguia rumo a Casa Azul. Fazia dias que sua obstinação se manifestava por essa visita. Não seria a luz ofuscante do meio dia que lhe seria impecílio. As roupas já emporcalhadas de outros terreiros e vadiagem, ficara no carro estacionado no portão. Ele queria chegar. E chegou chegando, assim mesmo, como quando chegou ao mundo.