View Post

Amor e Construção.

In Arte e Estética, Crônica by ancuri

É tarde. À luz da lua, corpo desarmado, tu observas o dia trabalhado. Eu te observo. E me sirvo do teu corpo suado. Meu olhar lambe a luz que escorre em teu rosto, cheira o cheiro de mato em teu cabelo, alcança teu olhar sobre teu trabalho. E em comunhão desposa-te a construção.

View Post

O Homem e a Terra

In Arte e Estética, Crônica by ancuri

Anoitece. A Escuridão preenche todas as distancias. Eu e tu nos tornamos nós, estreito nós. Teu rosto enfim se revela. Antes ocultado pelo sol em cores te mostravas. Longínqua, diversa, dispersa. Agora na noite escura tu és ela. E o encontro e a espera ao teu rosto me conduz. Amo-te. Amo-te com o amor do sempre. Sem futuro e sem passado. Porque a …

View Post

Chacinas, Raios e Torres

In Bem Viver, Direitos Humanos, Política by ancuri

Chacinas, Raios e Torres assemelham-se. São respostas a uma sociedade amedrontada e imediatista que quer ver varrida todas as ameaças ao seu padrão de consumo, de acúmulo, de privilégios. Sociedade que não se apercebe que seu consumo, seu acúmulo, seus privilégios são a causa da violência que as amedronta e as ameaça.

View Post

Porteiro dos sonhos.

In Arte e Estética, Bem Viver, Crônica by ancuri

Não renunciar a sí é não sobreviver aos próprios deuses, ou ao próprio deus. Quem a eles, ou a ele sobrevive torna-se carcaça, esvazia-se de sentido, subjuga-se ao comer de cada dia e às dores do caminhar errante. Vaga sem alma e sem destino e não tem onde pousar. Então resiste em teu sonho, pois nele te falam os deuses, …

View Post

Do Patético da Sacralidade

In Arte e Estética, Crônica by ancuri

Me disseram patético. E eu respondi: toda sacralidade é patética, me comove até às lágrimas. A banalidade do instante, a efemeridade do encontro, o gesto que se dissipa no tempo, a casa do Pai que já se ausenta, a criança e sua insondabilidade, todos são a santidade que dão significância à vida. E de joelhos e contrito eu choro em …

View Post

Oração ao Verde.

In Bem Viver, Crônica, Plantas by ancuri

(Por um natal vegetal) Dou graças a ti que nasces para traduzir a luz em vida. Sem teu despertar nós nada seríamos. Simples animais dependentes da tua tradução. Hoje celebramos com fartura a tua existência. E te semeamos para que existas em diversidade. No mais, agradecer à luz celeste e a Terra nutriz. Amém.

View Post

Aguardando a Paixão

In Arte e Estética, Crônica by ancuri

Bom dia, gente em rede! Os da fila do pão, como diz meu amigo Amaudson Ximenes; os da fila da farmácia; também os da fila do banheiro (esses, meu deus, são os mais conectados); e ainda os da fila do ônibus, da fila dos hospitais. A todos vocês meu bom dia nessa véspera de Natal. Faço a referência ao natal …

View Post

Vamos!

In Crônica by ancuri

Ela olhou-me como a buscar verdade nas minhas palavras. Depois disse simplesmente: – Vamos! Eu a segui fechando a porta atras de mim. Não deixamos nada para trás. Fomos por inteiro