View Post

Do Amor e da Ciência

In Bem Viver, Crônica by ancuri

O Conhecimento não deve ser um meio de dominação da natureza, mas uma forma de entrar em comunhão com ela. Pois quanto mais ela se revela, se desnuda aos nossos olhos, mais desaparecem os limites que nos separam. Conhecimento, nesse sentido, se torna amor. E quanto mxais a amamos tanto mais a conhecemos. O Amor é ciência que unifica, que …

View Post

Amor e Construção.

In Arte e Estética, Crônica by ancuri

É tarde. À luz da lua, corpo desarmado, tu observas o dia trabalhado. Eu te observo. E me sirvo do teu corpo suado. Meu olhar lambe a luz que escorre em teu rosto, cheira o cheiro de mato em teu cabelo, alcança teu olhar sobre teu trabalho. E em comunhão desposa-te a construção.

View Post

O Homem e a Terra

In Arte e Estética, Crônica by ancuri

Anoitece. A Escuridão preenche todas as distancias. Eu e tu nos tornamos nós, estreito nós. Teu rosto enfim se revela. Antes ocultado pelo sol em cores te mostravas. Longínqua, diversa, dispersa. Agora na noite escura tu és ela. E o encontro e a espera ao teu rosto me conduz. Amo-te. Amo-te com o amor do sempre. Sem futuro e sem passado. Porque a …

View Post

Chacinas, Raios e Torres

In Bem Viver, Direitos Humanos, Política by ancuri

Chacinas, Raios e Torres assemelham-se. São respostas a uma sociedade amedrontada e imediatista que quer ver varrida todas as ameaças ao seu padrão de consumo, de acúmulo, de privilégios. Sociedade que não se apercebe que seu consumo, seu acúmulo, seus privilégios são a causa da violência que as amedronta e as ameaça.

View Post

Porteiro dos sonhos.

In Arte e Estética, Bem Viver, Crônica by ancuri

Não renunciar a sí é não sobreviver aos próprios deuses, ou ao próprio deus. Quem a eles, ou a ele sobrevive torna-se carcaça, esvazia-se de sentido, subjuga-se ao comer de cada dia e às dores do caminhar errante. Vaga sem alma e sem destino e não tem onde pousar. Então resiste em teu sonho, pois nele te falam os deuses, …

View Post

Do Patético da Sacralidade

In Arte e Estética, Crônica by ancuri

Me disseram patético. E eu respondi: toda sacralidade é patética, me comove até às lágrimas. A banalidade do instante, a efemeridade do encontro, o gesto que se dissipa no tempo, a casa do Pai que já se ausenta, a criança e sua insondabilidade, todos são a santidade que dão significância à vida. E de joelhos e contrito eu choro em …

View Post

Oração ao Verde.

In Bem Viver, Crônica, Plantas by ancuri

(Por um natal vegetal) Dou graças a ti que nasces para traduzir a luz em vida. Sem teu despertar nós nada seríamos. Simples animais dependentes da tua tradução. Hoje celebramos com fartura a tua existência. E te semeamos para que existas em diversidade. No mais, agradecer à luz celeste e a Terra nutriz. Amém.

View Post

Aguardando a Paixão

In Arte e Estética, Crônica by ancuri

Bom dia, gente em rede! Os da fila do pão, como diz meu amigo Amaudson Ximenes; os da fila da farmácia; também os da fila do banheiro (esses, meu deus, são os mais conectados); e ainda os da fila do ônibus, da fila dos hospitais. A todos vocês meu bom dia nessa véspera de Natal. Faço a referência ao natal …